28 de mai de 2008

Meu pobre poeta


Poema decassílabo,
Decatônico,
Decadente.

Polissílabo tônico,
Monossílabo átono,
Sem uma sílaba, carente.

Deficiente na estrofe
E devidamente demente.
Verso pouco versado,
Mesmo cantado é calado.

Rima Rica...
Pobre poeta.
Das rimas pobres,
A mais discreta.

Seu ponto forte
É seu ritmo fraco,
Cadente, evidente.

Tantos pontos fracos
Que seus versos tontos
Parecem boca sem dente.

Sem saber do que diz,
Apenas escreve
Sem dizer o que quis.

Sem saber, não percebe
Que é por amor que escreve
E por ela que mais um verso eu fiz.

4 comentários:

Na toca do coelho disse...

retórica poética.

Tentando encontrar nos versos uma graça pra vida. E assim o poeta vai seguindo, vai rimando, vai ficando...
E as palavras vida vão ganhando.
E quem lê, graça vai achando.

Pobre rima pobre essa nossa.
eheheheheh

bjão

laladance disse...

Aaaaaaa,ate que enfim o pobre poeta
sai da toca!
perfeito como sempre,adoro!!!!
quem seria essa inspiração...poderosa viu?!rs
bjo!

Brenda de Oliveira disse...

Tenho fome disso aqui...
Quero mais.

laladance disse...

Terminara meu dia???
hauhauhauhauhauha
Pegando o embalo do post acima....
nos alimente!!!!
Bjo!