24 de set de 2015

Semelhanças

A poesia e o beijo
têm mais semelhanças
que a gente acredita,
como a vontade
que nunca se acabe
ou que ao menos
repita.


23 de set de 2015

Bilhete aos astrônomos

Não
procurem vidas
em outros planetas.
procurem amor.
porque viver
é o de menos.
amar é que é
vital.


22 de set de 2015

Concreta

quando
eu e você
nos juntamos
num abraço
e ficamos
nesse amor
por horas,
isso é uma
poesia
que deu
certo.


21 de set de 2015

Amar em poesia é amar diversas

Se enganam aqueles que dizem que o amor de um poeta é uma fachada. Que é melhor amar do que só falar de amor, como se o poeta soubesse falar de amor sem ter amado. Fazer poesias de amor é amar antes, durante e depois. Pois antes de ser poesia, ela foi uma mulher por demais amada pelo poeta. E sendo poesia, é de novo outra mulher, que ele ama em cada palavra, em cada verso e em cada estrofe que escreve. E depois de pronta, a poesia será outras mulheres que o poeta vai amar em cada verso lido irresistivelmente por elas.
Pois é assim que a poesia é o amor de um poeta: antes, durante e depois.
E é por isso que amar em poesia é amar diversas.


15 de set de 2015

dentro das palavras

Aos poetas,
a beleza interior
é a que mais importa.
isso é o que eu acho
e vejo.
será que dentro
da palavra amor
existe um beijo?


14 de set de 2015

Sem tamanho

O amor
não é grande,
nem pequeno.
Os que amam,
esses sim,
são grandes.
E os que não amam,
esses, nem consigo
vê-los.


Mérito

às pessoas,
dou todo o mérito
do amor.
pois, sem elas,
o que o amor seria?
nem uma palavra
sequer.



12 de set de 2015

Uma casa pra você voltar



Imagine uma casinha de campo, bem simples, mas bem bonitinha. Imagine você chegando nessa casa, por uma estrada bem feitinha, cercada de flores, de árvores e cuidada pelos passarinhos. De longe você vê a casa com uma fumaça fugindo pela chaminé. O café já está pronto. Um cachorro vem correndo, balançando o rabo pra te receber e te levar até a porta lateral da casa. Você olha para dentro e percebe que está na cozinha. Na mesa, o café, alguns pães de queijo, um bolo de fubá... e você. Só você. Então você se senta à mesa, pega o bule, coloca um pouquinho de café na xícara, ajeita um pão de queijo e come. Bebe um pouco do café, corta um pedaço do bolo e fica ali, contemplando essa vidinha boa por horas. O tempo vai passando, mas você nem percebe, só aproveita aquilo tudo feito pra você. Passa quase que o dia ali... até que chega a hora de ir embora. Então você se levanta, tampa tudo com cuidado pra não dar mosquito, sai pela mesma porta que entrou, o cachorro já está deitado de preguiça, de tão calmo que é o lugar. Você pega a mesma estrada que te trouxe até ali, ouve os pássaros cantarem pra você ir... mas você sabe que eles cantam mesmo é pra você voltar. E você segue, sem esquecer daquela casa no meio do campo, sozinha e tranquila. Você segue com a certeza que, em breve, você vai voltar.
Isso é amar-se.

4 de set de 2015

2 de set de 2015

quando mais nada couber

talvez,
quando mais nada
couber no planeta,
nem mais uma arma,
nem mais um brinquedo,
e nem mais um fio de cabelo
couber no planeta,
e as pessoas tiverem
que se abraçar
pra caber por aqui,
talvez a gente descubra
o mundo de coisa que cabe
no abraço.

Interesseiros

Vai
Chegar o dia
Que nós vamos
Ser tão ricos
De amor
Que nos amar
Por interesse
Vai ser a coisa
Mais bonita.