5 de jun de 2009

(D)Evolução


Nossa coluna que era reta
Entortou-se.
Agora as patas vão ao chão,
Bem devagar.
Uma mão vai na cabeça.
Uma coçadinha.
Banana pra todo mundo.
Já passou o tetê-à-tête.
Machado contra machado.
Não tinha covardia,
Pouca tecnologia.
Pouca gente recuando,
Vários outros adiante,
Sem dó, pela sobrevivência.
Hoje poucos se entregam,
Ou lutam pelas causas.
Também estão todas perdidas.
A minoria vai vivendo,
O restante sobrevive.
Muita tecnologia e pandemia,
Miopia, arritmia.
Pouca a nossa inteligência.
Cadê aquela melodia? E a gritaria?
Quem é o dono dessa festa avessa?
Cresça, meu povo. Cresça.
Eu quero me devolver.

Um comentário:

iuLa disse...

Que legal, meu bem.