15 de dez de 2006

No ponto certo


Nunca tinha visto, nem mesmo ouvido falar. Rogério Skylab é um figuraço e é, dos intelectuais, o mais excêntrico do Brasil (ô loco meu, brincadeira!). É poeta, compositor, músico, doido e bancário (ficou redundante?). Estourou com o clássico cântico "Matador de Passarinho", que foi parar na boca do povo, assim como os outros que vieram em seguida: "Cocô", "Bunda Suja", "O Meu Pau Fica Duro" e o mais recente sucesso "Cadê Meu Pau?", do seu último cd "Skylab VI".
Em uma entrevista, que tive a honra de ver pela tv, Skylab divagou sobre o "ponto final". Aquele sinal de pontuação com que se encerra um período. Para ele, todos nós deveríamos saber quando colocar o ponto final. Ele nao se refere à morte, mas à hora de saber parar. Ele como cantor, por exemplo, está no seu sexto CD e já planejou. Termina no décimo. Aprendeu isso com o Pelé.
Discordo! Sou a favor da vírgula, no máximo os três pontinhos...
O Pelé foi a lição de que devemos mesmo saber parar. Mas duvido que ele tenha planejado parar de jogar futebol aos 37 anos. Ele soube a hora de parar quando já estava lá. Entende? Já o Baixinho ainda não chegou lá. Este, se parar, vai ser com mais de 1000.
E se Skylab, depois de compor seu décimo cd, tiver a sua maior inspiração? Quanto vai valer o seu orgulho? é lógico também que um fator vai ser crucial para ele não ter a maior das inspirações. O Condicionamento. Estará condicionado a não ter a inspiração porque cultivou isto a mais de 3 CDs.
É por isso que sou a favor da vírgula. Se Rogérgio usasse a vírgula, no seu décimo CD teria a opção de se inspirar mais e, talvez, quem sabe, compor mais canções tortas sobre genitálias e orifícios excretores.

Um comentário:

Quem mais poderia ser? disse...

eita..
e naum é q a foto da capa do cd naum eh linda msm!
meu deus! q formosura..
esse sanguinho ai no nariz é a naturalidade em pessoa!!!
hehehe..
vou acabar agora com um ponto final, pq eu sei onde parar.