18 de fev de 2010

Chuva

Chuva
Que cai lá fora,
Que molha
A folha seca e o sujeito,
Não molha
A seca dentro do meu peito.

8 comentários:

Nó! disse...

bonito
e bonito o novo template tb

x)

Kássia Reis disse...

Oi,Lucas! Adorei o poema e o novo visual! Muito bonito o template! Beijos!!

Lucão disse...

Obrigado Nó e Kássia. Que bom que gostaram! vou manter, já que agradou ;)

Fouad Talal disse...

Lucão meu brother...

Seu blog está show, mas tá com um probleminha... na resolução 800X600 funciona blz, mas na resolução 1024X768 num monitor de 22 polegadas, as imagens estão todas esticadas e desconfiguradas.

Dá uma confirida depois!
Abração!

Lucas Gondim disse...

eita, por um segundo achei que tava no blog errado. :P gostei do template também, deu um ar bem lúdico pro blog, o que acho que condiz muito com os textos que aparecem por aqui. também gostei do texto.

Fouad Talal disse...

Opa,
Não queria deixar de comentar mais essa investida no mundo das crônicas...

Achei essa quase apocalíptica...

Abração!

Emilinha disse...

Estou degustando seu blog, moço. Viciei! Acho que vou engordar...rs.

Sabrina disse...

sim, "as coincidências tb podem ser antagônicas"...
mas por vezes também podem ser semelhantes, também já senti secura aqui dentro, como certa vez escrevi:

"ser tão

a chuva de ontem
não trouxe alívio

o solo
segue seco

só mesmo
uma enchente
de sentimentos
para eu voltar a florir"

essas chuvas que nâo molham são inda mais melancólicas...

:)